quarta-feira, 24 de março de 2010

O Ar Achocolatado

Nunca houvera eu de esquecer
o tombo daquele inglês, caindo
de sua cadeira Luís XVI sem braço
entalhada a prata, quebrando o pescoço

batendo as botas. Digo, os chinelos
depois de tomar seu chá da tarde
adoçado por pedaços de Marshmallow

entre bombinhas, bolinhos e biscoitos
amanteigados cacos de porcelanas,
no hotel Berkeley Knightsbridge em Londres.

Nunca houvera eu de esquecer
o velho e bom inglês, Benedtt Robert
com ar achocolatado e pulverizado
pela fumaça de seu cachimbo Oxford!

Um comentário:

Larissa Marques disse...

Não há como esquecer!!!
Adoro sua escrita, Calaça!