quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Palavras perdidas...


Palavras escritas
sonhadas com amor
palavras perdidas
esquecidas na dor...


Foi um erro. Foi sim. Eu esqueci. Esqueci de dizer a tempo. Ah, se eu soubesse! Agora nem sei o que falar. As palavras que eu tanto imaginei se perderam. Deixei escapar. Em algum momento a ventania das emoções sequestrou as belas poesias que eu cheguei a fazer pra você. As prosas românticas que eu tinha rascunhado, com tanto amor e sentimento que nenhuma mulher jamais viu até hoje, sumiram.

Sim, foi naquele momento em que teve uma tempestade. Foi quando os dias nublados apareceram, enegrecendo o azul que bailava sobre nossas cabeças. Nunca pensei. Mas meu pouco senso de segurança fez com que eu os perdesse de vista. Ah! Quanta chuva de emoções caiu sobre nós! Tudo o que eu tinha reservado pra você, foi-se. Sumiu no vácuo, no doce escuro da tristeza; na fria noite da raiva; por entre a transparência de nossas ingenuidades.

As palavras que se perderam eram únicas. Não as consigo formular agora. Nunca foi tão difícil reconstituir, por meio de palavras, aquele romantismo que impregnava em cada atitude minha. Foi com certeza absoluta o azul do céu mais bonito que pude ver. Nunca tive sonhos tão penetrantes, nem desejos tão felizes.

As palavras que perdi retratavam a sua pele, todo o seu jeito de ser, sua beleza encantadora. Os versos que eu guardava refletiam sua naturalidade meiga, aquele olhar sem censura, cheios de doçura. Foi um pecado sim o que aconteceu. Eram palavras preciosas, falando de uma mulher também preciosa. Eram palavras de amor, eram sonetos com calor, melodias apaixonadas.

O que eu faço? Como encontrar palavras assim novamente? Não sei. Contudo, sei que as palavras que eu perdi foram o menor dos males. Diante daquela tempestade, perder você foi a pior...

Não me importaria em nunca mais achar essas palavras, se um dia reencontrasse novamente a sua mão. Nem mesmo lembraria o que elas representaram, se você voltasse para a minha vida, para o meu colo. A sua presença me proporcionaria tal felicidade, que novas palavras floresceriam, capazes de expressar o meu mais nobre e singelo sentimento por ti: amor!

2 comentários:

Luciana disse...

Amere,se passou é melhor deixar como está.
Sabe,já teve um tempo em que meu coração estava vazio,e era tão ruim,estranho.Mais daí qnd o preenchi percebi que era melhor estar só,não sofrer...
Coisas do coração...so entende quem o sente.

Bjos e saudades dos teu textos.

Glau Ribeiro disse...

Ai que saudade de ler você, amore! E que texto bom de ler. As vezes as palavras faltam porque a gente sente demais e daí, nada sái que consiga descrever.

Adoreiadorei!

Deu pra matar um cadim-de-nada da saudade.

Sucesso na apresentação do TCC.

Beeeeeeeeeeejo!