segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Entropia


falo num idioma que entende noites
e dialoga com estrelas

meu dizer não é meu, é do universo
pois não sou de mim ou de ninguém
fui gerado para romper fronteiras
e só agora me descobri

busco a magia escondida em cumes
e a essência do átomo

semeio e me desfaço lentamente

o risco na pele é um sinal
eu sinto
mudo a cada segundo

(Celso Mendes)

Um comentário:

Kiro Menezes disse...

Metamorficos... seres... Poesias... deveres...

Gosteis deveras!!!

^_^•